09 . jan . 2018 Mindful Eating  Mindful Eating  Mindfulness  

Mindful Eating: aprenda a praticar a alimentação consciente

mindful eating alimentação consciente

No meu artigo anterior exploramos algumas sugestões para tornar a nossa rotina uma rotina mais consciente, se você ainda não leu, é só clicar aqui. Uma sugestão que deixei de fora, pois vale um texto só para ela, é a prática de mindful eating ou alimentação consciente. O convite é o mesmo: exercitar, momento a momento, um estado de presença, curiosa e gentil, em relação às experiências, neste caso, à experiência ou ato de comer.

Você já parou para se perguntar quais são os seus padrões de alimentação? E quando eu falo em padrões de alimentação não me refiro apenas aos alimentos consumidos, suas características e propriedades, mas e também, quando você come e como você come.

Em maior ou menor grau a relação que você mantém com a comida não será muito diferente da relação que você mantém com a vida. Você já parou para pensar nisso?

Trocando em miúdos

Você pode comer de forma apressada e distraída, cuidadosa e atenta, quando tem fome ou quando se sente ansioso/a, triste, estressado/a, com entusiasmo ou se sentindo entediado/a, consciente dos sinais de saciedade do corpo ou sem limites, com gratidão, com culpa, com leveza ou com rigidez, para celebrar, para escapar…

São inúmeras possibilidades! Assim como são inúmeras as possibilidades de ser e estar na vida relacionando-se com o universo que existe dentro e fora de nós.

Por que praticar Mindful Eating?

Ao praticar alimentação consciente você cria um espaço de diálogo com a sabedoria do seu corpo, um espaço de conexão com você mesmo/a. Constrói a possibilidade de exercer um saber sobre si, sobre a sua relação com o alimento e o que ele tem de melhor a oferecer como veículo de nutrição e de autoconhecimento.

Estar atento ao quando eu como, o que eu como e como eu como, investigando e explorando o que surge a partir desta experiência – insights, memórias, sentimentos e etc. – cria condições para a construção de uma relação mais harmoniosa, saudável e consciente com a comida e com a vida. Cria espaço para experimentar cores, aromas, sabores, texturas, relações, saberes e sentidos, com gentileza, amorosidade e livre de julgamentos.

Vamos colocar em prática o Mindful Eating?

A prática se inicia no momento em que você coloca os alimentos no prato. Observe as cores, quantidades e disposição dos alimentos. O que surge a partir desta imagem? Respire. Sinta o cheiro da comida antes de levá-la a boca. Observe como o seu corpo responde a este estímulo.

Então, leve o alimento a boca. Esteja consciente dessa ação. Mastigue lentamente. Observe os movimentos do rosto, do maxilar. Explore os sabores, texturas, temperaturas presentes. Respire. Repouse o garfo no prato enquanto mastiga encontrando uma postura confortável e ereta. Sinta o seu corpo. Preste atenção aos sinais de fome e de saciedade.

Convide-se, se for possível para você, a prestar atenção ao caminho que o alimento realiza até o estômago. Vá um pouco além. Respire e amplie a sua percepção para o caminho percorrido por este alimento até chegar ao seu prato: do plantio ao cultivo, da colheita ao estoque, do transporte à venda, da seleção a preparação.

Quantas pessoas, ações e processos estão envolvidos? É possível ser grato por tudo e todos os envolvidos que fazem com que o alimento chegue até você? Exerça a gratidão.

Durante toda a prática permaneça atento/a ao que acontece em sua mente enquanto come. Que pensamentos, imagens, memórias surgem? Note-os e deixe-os ir levando novamente a sua atenção apenas para a experiência de comer. Permaneça também consciente de seus comportamentos antes, durante e depois da refeição.

Observe, reconheça, pratique a aceitação da sua experiência como ela se apresenta naquele momento. Exercite a gentileza e a gratidão. Aprecie com consciência!

ingrid pena psicóloga

Ingrid Pena

Psicóloga | CRP 08/20413

Psicóloga metida à antropóloga. Residiu fora do país por 07 anos e atuou em contextos variados como hospitais, centros de acolhimento para população migrante e refugiada e empresas. Atualmente trabalha na Secretaria de Saúde com população Travesti e Transexual. Apaixonada pela diversidade e o florescimento humano.
Veja todos os posts de Ingrid Pena