16 . dez . 2016 Superalimentos  

Óleo de coco: Quanto mais melhor! Será mesmo?

óleo de coco

O óleo de coco está em alta e tem sido muito utilizado como uma solução milagrosa para perder peso.

Mas será que tudo o que você ouviu sobre o óleo de coco é realmente verdade?

O óleo de coco é uma gordura e, como qualquer outra, quando consumida em excesso, engorda.

Adeptos ao óleo de coco indicam que o indivíduo deve consumir 3 colheres de sopa do óleo de coco por dia. Em uma colher de sopa há 117 Kcal e 13,6g de gordura, ou seja, mais calorias que uma colher de manteiga ou azeite.

O óleo de coco é um óleo extraído do coco e existem dois tipos, o refinado e o extra virgem. O primeiro é feito a partir do coco seco, e o segundo é feito com o coco fresco.

O óleo de coco é classificado como uma gordura saturada. O nível de saturação determina a consistência da gordura em temperatura ambiente. Quanto maior o grau de saturação, mais dura a gordura será. No entanto, o óleo de coco é uma exceção, pois apesar de ser altamente saturado, é liquido, devido à predominância de ácidos graxos de cadeia média, que correspondem a 70-80% de sua composição.

O alto teor de gordura saturada presente nesse óleo o torna contraindicado para algumas pessoas. Afinal, quando consumido em grande quantidade, pode aumentar a quantidade de colesterol LDL (colesterol ruim).

E como escolher o melhor óleo?

A escolha vai depender de como você vai utilizar o óleo. Se for para molho de salada ou para finalizar pratos, escolha os azeites prensados a frio. Se desejar fritar um alimento ou assar, escolha óleos que são estáveis em altas temperaturas, como canola, milho, girassol e soja.

A maior parte do milho e da soja produzidos no Brasil vem de plantações com alimentos geneticamente modificados, ou seja, transgênicos. Já o óleo de canola é proveniente de uma modificação genética de uma planta conhecida como Colza. O consumo de transgênicos é bastante controverso. Os estudos sobre os riscos à saúde humana são pouco conclusivos e faltam pesquisas que mostrem os efeitos em longo prazo do consumo desses alimentos modificados. Levando isso em consideração, o óleo de girassol, por não ser transgênico, parece ser mais seguro enquanto faltam evidências científicas conclusivas sobre o assunto.

Fique de olho!

Ainda temos poucos estudos que comprovam que o óleo de coco emagrece. É importante ter em mente que a gordura saturada do óleo de coco, mesmo que com melhor composição que outras fontes de gordura saturada, deve ter ser consumida com moderação, não sendo recomendado para pessoas com colesterol alto.

Referências

Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular; ISSN-0066-782X. Volume 100, nº 1, supl.3, 2013.

http://www.abeso.org.br/pdf/revista56/oleo_coco.pdf

Giana M. Ross Toledo

Nutricionista | CRN 8-1385

Formada em Nutrição pela Universidade Filadélfia de Londrina (UNIFIL) desde 2000 e pós-graduanda em Gestão de Qualidade de Alimentos pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) desde 2002.

Veja todos os posts de Giana M. Ross Toledo